MANTEIGAS, CORAÇÃO DA SERRA DA ESTRELA
em memória de meus pais que me fizeram nascer numa terra tão bonita

domingo, 27 de outubro de 2013

NASCENTES DOS DOIS MAIORES RIOS TOTALMENTE PORTUGUESES


O Mondêgo e o Zêzere são os dois maiores rios portugueses com a totalidade do seu percurso em território nacional. São, também, os dois maiores rios nascidos na Serra da Estrela.

1.RIO MONDEGO

O maior rio totalmente português nasce na Serra da Estrela, próximo das Penhas Douradas, junta à estrada que liga a Gouveia.
Um pequeno nascente, à altitude de 1450m, conhecido por “Mondeguinho” é o começo de um rio que, depois de percorrer cerca de 220 km, vai desaguar no Oceano Atlântico, junto à cidade da Figueira da Foz.
No seu percurso recebe as contribuições de vários afluentes, entre os quais os rios Alva, Ceira, Arunca e o famoso Dão.
Tem uma bacia higrográfica com uma extensão de cerca de 6670 km2 e um volume médio anual escoado de quase 3500 hm3, resultante de caudais bastante variáveis entre secas e cheias bastante acentuadas.
Logo a jusante da confluência do Dão, a Barragem da Agueira é o maior aproveitamento hidroeléctrico do Mondêgo.
Entre Coimbra e a Figueira da Foz, o rio espraia-se pelos campos do baixo Mondêgo, uma das zonas agrícolas mais importantes de todo o país.

2. RIO ZÊZERE


É o segundo maior rio que corre totalmente em território nacional, afluindo no tio Tejo depois de um percurso de cerca de 200 km.
Nasce na base do Cântaro Magro, na Serra da Estrela e a mais de 1800m de altitude, num nascente, alimentado pelas infiltrações em zonas mais altas, como a Nave de Sto António. Tem o seu primeiro troço no Covão Cimeiro, seguindo, depois, ao longo do paradisíaco Covão da Ametade, continuando, depois ainda, pelo famoso e inigualável Vale Glaciar, ao longo de cerca de 13 km, até encontrar Manteigas que fica na sua margem esquerda. 
Ali começa o desvio que lhe vai dar a orientação dominante final, Nordeste-Sudoeste, até encontrar o Tejo em Constância.
O rio Zêzere tem numerosos pequenos afluentes, o mais importante dos quais é o rio Nabão que banha a cidade de Tomar.
A sua bacia Hidrográfica tem cerca de 5040 km2 e o seu caudal instantâneo chega atingir 10.000m3/s.
Neste rio de grande valor hidrodinâmico, existem três grandes aproveitamentos hidroeléctricos, Bouçã, Cabril e Castelo de Bode, que produzem anualmente 700 milhões de kWh.

2 comentários:

  1. Prezado sr. Rui M. Gaspar de Carvalho,

    "Navegando" sem rumo pela Internet, tive a sorte de encontrar este seu "blog", o qual despertou-me a atenção.
    Ao "visitá-lo", de pronto observei que versa sobre uma região que sempre me interessou saber alguma coisa a respeito, falo da Serra da Estrela, em Portugal, país no qual meu saudoso pai nasceu (em 1885!!!). Obrigado por publicar informações sobre essa linda terra.
    Cumprimento-o pela singela homenagem que faz ao senhor seu pai, Miguel Esteves Gaspar de Carvalho, sobre quem o senhor também tece comentários ao final do "blog".
    Meu pai nasceu em Guimarães, Portugal, e minha mãe nasceu na comuna do Castelluccio Inferiore, província de Potenza, Itália (em 1910!!!).
    Quanto a mim, posso dizer-lhe que sou amazônida, isto é, sou natural da Amazônia brasileira, local onde o mundo ainda pode apreciar a maior reserva florestal da Terra. Meu nome é Ademir S. Guimarães e vivo na cidade de Belém, estado do Pará, cidade que se localiza próximo ao arquipélago do Marajó, na foz do maior rio do mundo, o rio Amazonas.
    Tenho vários amigos portugueses, visto que é na minha cidade de Belém que se encontra a segunda mais numerosa colonia de portugueses no Brasil (a maior está no Rio de Janeiro), inclusive, um dos meus amigos já me fez uma grata surpresa, ao me presentear com um verdadeiro queijo "Serra da Estrela", "made in Portugal"(!!!), que, pelo saboroso "terroir", fez o maior sucesso com a minha família. Ressalto que jamais havia tido a oportunidade de, literalmente, saborear um queijo daí da sua terra! Parabéns pela excelência do queijo lá fabricado! Aqui, o que mais se assemelha é o "queijo do Marajó", fabricado de leite de búfala em fazendas na ilha do Marajó (a maior ilha flúvio-marírima do mundo).
    Desculpe pelo "tamanhão" do meu, digamos, comentário, é que gostei mesmo do seu "blog"!
    Um fraterno abraço.
    Ademir
    P.S.: Infelizmente, não publico meu e-mail (do Google), pois, se assim o fizesse, poderia trazer-me algum problema.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Senhor, muito obrigado pelos seus seus comentários e informações. Fico contente por ter gostado do meu blog no qual, infelizmente não publico nada há já bastante tempo.
      É uma homenagem ao meu pai que me ensinou a fotografar e foi, ele próprio, um "caçador" de imagens excepcional.
      Quem sabe, um dia vou publicar algumas das suas fotografias aqui.
      Quero dizer-lhe que visitar a Amazónia foi um dos sonhos da minha vida mas nunca tive oportunidade de o fazer.
      Quanto a Belém, vive aí um dos meus mais antigos amigos, porventura o único que me resta dos meus tempos da Escola Primária.
      Um abraço grande Ademir, com votos de felicidades.
      Se puder visite esta Terra linda que é a minha.
      Rui de Carvalho

      Eliminar